Primeiro bloco afro do Brasil, O Ilê Aiyê leva à 42ª exposição da série de ocupações, promovida
pelo instituto Itaú Cultural, a sua força, cores, música e história, que ultrapassam o Carnaval
e o transcendem no cotidiano como um grito de resistência, luta e afeto.

Atração consagrada do Carnaval de Salvador, a agremiação nasceu para combater o racismo e o silenciamento dos negros que eram recusados no circuito oficial do Carnaval baiano. Foi classificado de racista por não aceitar brancos. Passados 44 anos, eles mantêm o preceito de desfilar apenas com negros e continuam questionando o racismo e o emudecimento dos negros na sociedade brasileira.

A exposição, que teve início dia 3 de outubro, ficará no local até 06 de janeiro de 2019 e, durante todo o período, o público pode participar de oficinas e outras atividades.

E atenção! Nos dias 5 e 6 (sexta-feira e sábado), 17 componentes do Ilê Aiyê, entre percussionistas, dançarinas, vocalistas e a Deusa do Ébano deste ano, Jéssica Nascimento, recebem convidados no Auditório Ibirapuera. No primeiro dia, se apresentam com eles os grupos de São Paulo Ilú Obá De Min, formado por mulheres, e Ilú Inã, apadrinhado do Ilê. No segundo, as convidadas são as baianas Xênia França e Luedji Luna. Os shows, tem duração de 90 minutos, classificação indicativa livre e interpretação na Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Foto: André Seit

Serviço

Ocupação Ilê Ayê

Abertura: 3 de outubro (quarta-feira), às 20h

Encerramento: 6 de janeiro de 2019

Terças-feiras a sextas-feiras, das 9h às 20h
(permanência até as 20h30)

Sábados, domingos e feriados, das 11h às 20h

Piso térreo

Classificação indicativa: Livre

Itaú Cultural

Avenida Paulista, 149, Estação Brigadeiro do Metrô

Fones: 11. 2168-1777

Acesso para pessoas com deficiência

Ar condicionado

Estacionamento: Entrada pela Rua Leôncio de Carvalho, 108

Se o visitante carimbar o tíquete na recepção do Itaú Cultural:

3 horas: R$ 7; 4 horas: R$ 9; 5 a 12 horas: R$ 10.

Com manobrista e seguro, gratuito para bicicletas.