Graffitis mostram que calçadas sem rampas se tornam muros para quem é cadeirante

https://youtu.be/cAX4YNzeQqo

Iniciativa da ONG Movimento SuperAção, idealizada pela agência Z+, chama atenção para os desafios diários enfrentados por pessoas com deficiência em meio às questões de mobilidade urbana

De acordo com o último censo demográfico, publicado pelo IBGE em 2010, mais de 45 milhões de pessoas declararam ter pelo menos um tipo de deficiência. O estudo também revela que *em São Paulo, maior cidade do Brasil, apenas 9% das calçadas possuem acessibilidade*. Desde então, melhorias aconteceram, mas as pessoas com deficiência física ainda não vivem em uma sociedade adaptada, tendo que enfrentar problemas de mobilidade urbana diariamente. Para jogar luz nessa questão, a *ONG Movimento SuperAção* deu início ao projeto *“Sem Rampa, Calçada é Muro”*, idealizado pela agência *Z+*.

Ao inicialmente convidar artistas como Chivitz, Minhau, Negritoo, Tito Ferrara, Mazola Marcnou e Apolo Torres, a iniciativa leva os graffitis das paredes da cidade para obstáculos que se tornam muros para os cadeirantes, com o objetivo de provocar uma reflexão e fazer um alerta. Até agora, tratam-se de sete obras espalhadas por calçadas que por lei deveriam ter rampas de acesso. Elas estão localizadas em regiões como Mooca, Chácara Santo Antônio, Liberdade, Pinheiros, Campo Belo e Embu das Artes.

“Num mundo onde há uma infinidade de informações para chamar a nossa atenção, o projeto direciona a atenção do cidadão, de forma lúdica e artística, para um importante ponto que é a acessibilidade arquitetônica da cidade. A arte é uma das mais belas fontes de contato entre o ser humano e ele mesmo. Estamos fomentando a inclusão de uma forma que só a arte é capaz. Precisamos acessar a emoção dos cidadãos, pois só a razão não tem sido suficiente”, ressalta Billy Saga, presidente da ONG Movimento SuperAção.

“A ideia nasce da premissa de que para o cadeirante uma calçada é um muro. E, se é um muro, cabe um graffiti. Dessa forma, não estamos somente chamando atenção para o problema como também mapeando os pontos que precisam ser adaptados para garantir acessibilidade a todos”, explica Alexandre Vilela (Xã), CCO da agência Z+.

Para divulgar o projeto, a ONG Movimento SuperAção conta com um perfil no Instagram em que todos os graffitis podem ser vistos, bem como a localização de cada um deles. Basta acessar *@CalçadaÉMuro (https://www.instagram.com/calcadaemuro/)*. A ideia é que os usuários da plataforma se engajem na causa e ajudem a reverberar a ação compartilhando imagens e vídeos, ou ainda visitando os lugares com o uso da marcação #calçadaémuro.

*Sobre a ONG Movimento SuperAção:* a ONG Movimento SuperAção foi criada em 2003 por jovens preocupados com uma sociedade que ainda não reconhece totalmente a cidadania e o direito das pessoas com deficiência. Por meio de eventos inclusivos, buscamos transformar essa realidade garantindo acessibilidade e cidadania a todos, promover a defesa dos direitos humanos e dar protagonismo às pessoas com deficiência no processo de inclusão social.