Com uma programação dividida em três semanas temáticas e cheia de propostas criativas, o projeto propõe um olhar integral sobre a doença, levando em conta os aspectos do corpo, da mente e das emoções

Encontrar formas de dialogar com toda a sociedade e dar voz para quem enfrenta o câncer de mama é o que faz diferença quando o assunto é o tumor mais comum entre as mulheres brasileiras. Esse é o espírito do movimento Coletivo Pink – Por um Outubro Além do Rosa, um projeto que nasceu no ano passado, sediado em um casarão centenário da Rua Bela Cintra, e agora está de endereço novo.

Desta vez, a iniciativa ocupa um dos espaços culturais mais conhecidos da cidade, a Casa das Rosas: serviços, oficinas, debates e um festival de artes, com atividades de teatro, cinema e música, compõem uma programação inspiradora, planejada para o período de 1 a 20 de outubro. “A opção de abordar o câncer de mama por meio da arte passa pela percepção de que a doença vai além do corpo. Estamos falando de mulheres que se informam e vivem emoções durante o tratamento. Por isso, é fundamental ter um olhar integral, que leva em conta todos os aspectos do ser humano”, diz a diretora médica da Pfizer, Márjori Dulcine.

Com a participação das principais associações de pacientes oncológicos do País, o Coletivo Pink, mais uma vez, é o resultado de muitas vozes. Instituto Oncoguia, Instituto Vencer o Câncer (IVOC), Amor e União Contra o Câncer (AMUCC), Fundação Laço Rosa, Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama), Instituto da Mama do Rio Grande do Sul (Imama), Fundação Nossa Casa, Meninas de Peito, Todos Juntos contra o Câncer (TJCC) e Instituto Frida Galera, juntamente com a Pfizer, se uniram novamente com o firme propósito de fazer a diferença neste Outubro Rosa.

Inspiração e representatividade

A presença de tantas organizações que atuam em oncologia nas bases do Coletivo Pink, bem como de parceiros dedicados a projetos culturais, se reflete em uma programação fortemente ligada ao conceito de representatividade. “Em um mês como esse, no qual tanto se fala sobre prevenção, nosso olhar também precisa estar voltado para quem está enfrentando o tumor, seja em fase inicial ou metastática, de modo que todas essas pessoas se sintam acolhidas e representadas”, afirma a presidente do Instituto Oncoguia, Luciana Holtz.

No Coletivo Pink, a voz das pacientes se faz ouvir. E o rosto delas está estampado em uma intervenção inspiradora, capaz de transmitir toda a coragem dessas mulheres. Composta por 30 painéis de fotos e por informações que desmistificam os principais tabus enfrentados pelas pacientes ao longo de sua jornada, a exposição “Frida e Artemisa, a coragem do Pink no Outubro Rosa” reúne histórias de força e exemplos de determinação. O nome do trabalho é uma homenagem à paciente Elfriede Galera, conhecida como Frida, que enfrentou o câncer de mama metastático por aproximadamente 10 anos, sempre com leveza, alegria e atitude positiva, inspirando muitas mulheres.

As pacientes retratadas na exposição posaram para a lente do renomado fotógrafo Márcio Scavone. “O retrato começa na conversa, no olhar, no jeito, na observação, cabendo ao fotógrafo mostrar o que o retratado está tentando esconder. Porém, percebi que elas e ele, pois há um homem nesse grupo, não tinham nada para esconder. Fui banhado por vida, no seu mais alto grau”, diz. Depois, todas as fotos foram customizadas com elementos artísticos que remetem à temática, pelas mãos da artista Sandra Martinelli. “Eu tentei interagir com cada uma dessas mulheres fortes e lindas por meio da pintura, unindo aquilo que eu sabia sobre elas com uma flor da natureza, para que sua beleza, perfume e raridade tivessem uma relação com aquilo que elas viveram “, completa ela.

Como participar

No site do projeto (www.coletivopink.com.br) é possível saber mais sobre a história de cada uma das pacientes e do paciente que participam da exposição, por meio de um QR Code instalado nas fotos. A plataforma on-line também conta com a programação completa do período e contém os formulários de inscrição para as diferentes oficinas que exigem reserva de horário ou dispõem de vagas limitadas. Essas atividades estão divididas em três semanas temáticas, totalmente alinhadas com o propósito de resgatar o olhar integral sobre a doença e o ser humano paciente. Conheça, abaixo, alguns destaques:

1ª semana: 1 a 6 de outubro

Tema: Meu corpo em cena – Da prevenção do câncer ao enfrentamento da doença

Algumas atividades:

Automaquiagem: É mais do que estética, é fortalecer a autoestima. Técnica, dicas e empoderamento feminino.

Crochê livre: Intervenção poética em crochê: O que faz você florir? É tempo de vivenciar o crochê como uma jornada, experimentar o imprevisto, deixar a criatividade fluir, tecer o próprio processo criativo.

Oficina de Flores: alimento e inspiração. As flores podem ser comestíveis, compondo chás e receitas, mas também podem deixar um ambiente mais bonito e perfumado. A versatilidade dessa verdadeira obra-prima da natureza é o destaque dessa oficina, que traz técnicas para cozinhar com flores, secar ou criar arranjos poéticos.

Oficina de Ervas Medicinais: plantinhas poderosas em uma rotina de autocuidado, para aprender a produzir travesseiros, chás, incensos e sais.

Impressão em Lenços com Flores: Matérias-primas cotidianas, como açafrão, folhas de eucalipto e folhas de rosas, vão compor estampas para a produção de lenços artesanais, formando peças únicas.

Aula Coletiva de Ioga no Jardim da casa: um estímulo para o combate ao sedentarismo, fator de risco para o câncer de mama.

2ª semana: 8 a 13 de outubro

Tema: Pensando e Racionalizado sobre câncer de mama e metástase – Mente e informação

Algumas atividades:

Escrita Criativa: Escrever-se a partir de experiências pessoais, como forma de experimentar, destravar e elaborar.

Bordado na Fotografia: Aquela fotografia inspiradora, que retrata um momento inesquecível, pode se tornar um objeto mais único ainda.

Livros Bordados: Um livro de memórias é um objeto especial para anotar o que é importante para você: podem ser os detalhes de uma viagem, frases, recados. O importante é que cada caderno produzido será uma peça única, refletindo a energia criativa de cada participante.

Oficina de Fotografia para Celular: A melhor câmera é aquela que está com você quando algo de bom acontece! Técnicas e truques para extrair o melhor ângulo e aproveitar todos os recursos dessa super câmera portátil.

Imagine e Desenhe: Ouvir mulheres e interagir com elas, criando um marcador de página com o rosto de cada uma e usando frases de estímulo ao amor-próprio.

3ª semana: 15 a 20 de outubro

Tema: Emoções e saúde – Qual é o impacto desse aspecto no tratamento e na recuperação da paciente?

Algumas atividades:

Oficina de Feltragem: Técnica com pigmentos naturais em lã colorida, permitindo a criação de várias peças delicadas.

Macramê, tecer com as mãos: Essa tecelagem manual, na qual os próprios dedos vão cruzando fios que se prendem por nós, é capaz de produzir formas decorativas inspiradoras, com cruzamentos geométricos e franjas.

Cala Boca Já Morreu: Experiência de conversação e arte com as visitantes, que são convidadas a dizer aquilo que não pode mais ser calado, enquanto a artista Ana Teixeira materializa esse discurso em obras pessoais.

Danças circulares: Uma vivência integrativa, para sentir a força do coletivo e celebrar a união.

Todas as semanas

Corte de cabelo solidário

Quem tem fios de pelo menos 20 cm de comprimento terá a chance de fazer uma paciente mais feliz!

Programação artística

Música
Shows gratuitos, apresentados por mulheres afinadíssimas: da música clássica ao forró, passando pela sofisticação da ópera e pela brasilidade do samba, seis estilos musicais compõem a programação eclética do Coletivo Pink, sempre às sextas-feiras e domingos:

Artes cênicas

Circo Choque Rosa: Quatro palhaças são obrigadas a se aventurar no tão temido mundo FORA, um lugar que não foi feito para elas, onde mulher nenhuma pode se aventurar. Será?

Contação de histórias com Kiara Terra: Dinâmica colaborativa na qual os participantes são convidados a partilhar histórias vividas, experimentando a sensação de empatia e pertencimento a partir do momento em que as diferentes narrativas se encontram.

Cinema no jardim

Curadoria de filmes ligados ao universo feminino e às temáticas em discussão durante o projeto.

SERVIÇO GERAL

Projeto: Coletivo Pink – Por um Outubro Além do Rosa

Duração: De 1 a 20 de outubro de 2019, sempre de terça-feira a domingo

Horário: Terça-feira a sábado, das 10h às 22h; domingo, das 10h às 18h

Endereço: Avenida Paulista, 37, Bela Vista, São Paulo (Metrô Brigadeiro)

Inscriçõeswww.coletivopink.com.br